Rádio Clube Compartilhar
MPSC

Vinte e duas pessoas são condenadas por tráfico de drogas em Curitibanos

As condenações envolvem crimes de tráfico de drogas, integração de facção criminosa, porte ilegal de arma de fogo e tráfico privilegiado.

Por

• Atualizado

Cresce consumo de drogas e bebidas por adolescentes. Foto: Divulgação
Cresce consumo de drogas e bebidas por adolescentes. Foto: Divulgação

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de 22 integrantes de uma organização criminosa que atuava no tráfico de drogas em Curitibanos. As penas variam de 22 anos de prisão em regime fechado a três anos de reclusão em regime aberto, além do pagamento de multas e custas processuais.  

A acusação foi conduzida pelo Promotor de Justiça Raul Gustavo Juttel, da 3ª Promotoria de Justiça da Comarca de Curitibanos. Além dos condenados, dois homens são considerados foragidos e não foram julgados ainda. A sentença foi proferida pelo Juízo da Vara Criminal de Curitibanos.  

Entenda o caso

As investigações começaram em meados de 2019, quando a Polícia Civil reuniu informações e a 3ª Promotoria de Justiça da Comarca de Curitibanos obteve a ordem judicial para a quebra do sigilo telefônico dos integrantes da organização criminosa. Ligações interceptadas e conversas coletadas em grupos de WhatsApp demostraram o modus operandi da facção e apontaram as funções específicas exercidas pelos acusados. 

Em julho de 2020, o MPSC obteve uma nova ordem judicial e a Polícia Civil deflagrou a “Operação Diablo”, cumprindo vários mandados de busca e apreensão. Integrantes da organização foram detidos preventivamente ou em flagrante delito. Os policiais encontraram entorpecentes, armamentos, aparelhos celulares, dinheiro e anotações em dez locais diferentes.  

A sequência das investigações mostrou que os acusados usavam armas de fogo para amedrontar a população de Curitibanos e cobrar dívidas de usuários devedores. Eles também pichavam a sigla da facção criminosa em estabelecimentos públicos e privados para tentar demonstrar poder e ostentavam nas redes sociais. O grupo contava, ainda, com a participação ativa de crianças e adolescentes no processo de fracionamento, venda e distribuição de entorpecentes. 

O esquema, segundo as investigações 

Eduardo Teixeira era um dos chefes da organização no estado e comandava as ações de um presídio estadual. Ele era responsável pela coordenação da facção em Curitibanos.  

Thiago da Silva era o líder local da facção. Ele cooptava pessoas para a comercialização de drogas, gerenciava alguns pontos de venda e comandava a atuação de todo o grupo. 

Cleyton Ricardo dos Santos, Deocir Miranda dos Santos, Paulo Henrique de Oliveira, José Antonio do Prado, Gabriel Efraim Chaves Fidélis, Raíssa dos Santos Morais, Edilson José da Silva e Maicon Guetten atuavam nas próprias casas e em bocas de fumo, armazenando, vendendo e entregando entorpecentes.  

Adair do Amaral Fernandes, a esposa Rozeli Fátima dos Santos e os enteados Victor Hugo dos Santos e Douglas Henrique dos Santos operacionalizavam um esquema familiar de armazenamento e fornecimento de entorpecentes.  

Eduardo Francisco Fernandes, Naumar Fernandes, Luis Filipe Taborda e Ingrid Vargas da Cruz formavam outra célula da facção, armazenando e fornecendo drogas.  

Thaíse Aparecida da Silva, Cláudia Aparecida da Silva, Edson Moacir da Silva, Maicon Moacir da Silva, Juliano dos Santos, Patrícia Alves da Silva e Rosinaldo Maciel dos Santos fracionavam, embalavam e vendiam entorpecentes nas próprias casas.  

>>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

publicidade
publicidade

Veja mais