Bem-Viver
templates/template-single-article-texto
block/article/header
Bem-Viver Compartilhar
Investigação

Fungos são identificados em sementes que chegaram sem solicitação

Em Santa Catarina, 39 pacotes foram entregues em diferentes regiões

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
Fungos são identificados em sementes que chegaram sem solicitação
Sementes que chegaram ao Brasil. Foto: Divulgação, MAPA

Nesta terça-feira (6), a Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), informou que foram encontrados fungos, bactérias e possibilidade de pragas quarentenárias (que não existem no Brasil) em pacotes de sementes não solicitados que chegaram ao país.

Depois de análises laboratoriais, a presença de ácaro vivo foi identificada em uma amostra; em 25 amostras foram identificados três fungos diferentes; a presença de bactéria foi registrada em duas amostras, além da possibilidade de pragas quarentenárias em quatro amostras (como plantas daninhas). Toda a análise foi feita no Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiás, que é referência no país. Até o momento, foram confirmados 258 pacotes de sementes não solicitados em 24 estados e no Distrito Federal. Os únicos estados que ainda não registraram o recebimento do material foram Maranhão e Amazonas. A expectativa é que em 30 dias haja um detalhamento maior dos resultados das análises.

Em entrevista coletiva virtual nesta terça-feira (6), o secretário de Defesa Agropecuária, José Guilherme Leal, destacou que o material não tem certificação, por isso está sendo feita uma “pesquisa do zero” para identificar os micro-organismos presentes nas sementes. Ele ressaltou que estão sendo tomadas todas as medidas para impedir a introdução de novas pragas no país.

Os pacotes supostamente foram enviados de quatro países da Ásia.

Alertas e orientações
As pessoas que receberem os pacotes devem encaminhá-los a uma unidade do Mapa ou entidade estadual de agricultura, sem medo de ser penalizado. O secretário alerta que o material não deve ser manuseado.

“O cidadão que receber esse material pode entregar para o órgão de agricultura que ele não vai ser de forma alguma penalizado. Ele está fazendo uma colaboração da proteção da agropecuária do Brasil e também evitando o contato com um material que possa ter um risco até para a saúde”, disse na coletiva de imprensa.

Entre no grupo do SCC10 e receba as principais notícias da sua região pelo WhatsApp

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp

block/article/tags
block/article/query-columnist
publicidade
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news

Veja mais