Cotidiano Compartilhar
Mais um reagendamento?

Catarinenses enfrentam dificuldades para agendar perícia do INSS

Em uma denúncia no MPF, Brian foi informado que há outros catarinenses que aguardam há meses pelo exame

• Atualizado

Redação

Por Redação

Há mais de dois meses, Brian Alvino aguarda o exame pericial. Imagem: Reprodução| SCC Meio-Dia
Há mais de dois meses, Brian Alvino aguarda o exame pericial. Imagem: Reprodução| SCC Meio-Dia

Desde a greve dos peritos médicos federais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que acabou dia 23 de maio, os catarinenses vêm enfrentando dificuldades para agendar o exame de perícia do INSS. Enquanto não há perícia que comprove a invalidez, o indivíduo não pode ser beneficiado. Há mais de dois meses, o morador de Tubarão, Brian Alvino, segue sem receber nenhum salário, pois depende da realização do exame perícial para voltar ao mercado de trabalho.

Desde que o profissional que atuava como caixa entrou no auxílio doença, em março, sua perícia do INSS foi remarcada duas vezes. Segundo ele, na primeira a justificativa para a remarcação foi que os colaboradores estavam em greve. Na segunda, a justificativa dada foi a de que o sistema realizou o reagendamento “sozinho”. Brian buscou mais informações na Central de atendimento, onde foi informado que a troca havia sido feita dentro do INSS, no Município de Tubarão.

Pai de três filhos, o profissional foi afastado do trabalho por questões de saúde, e relata que está tendo o apoio dos avós para sustentar a família. Em uma denúncia no Ministério Púbico Federal, ele foi informado que há outros catarinenses nessa mesma situação. “Conversei com várias pessoas que também estão sem receber há meses”, relata.

Confira a reportagem sobre as dificuldades para agendar perícia do INSS:

INSS: Peritos médicos encerram greve após 52 dias

Os peritos médicos federais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) realizaram paralisação das atividades durante 52 dias. O Ministério do Trabalho e Previdência garantiu que os 18 itens da pauta de reivindicações, incluindo reajuste salarial e abertura de concursos públicos, fossem integralmente acolhidos.

Foi assinado um termo de acordo de reposição, em que os valores descontados dos profissionais que aderiram à greve serão “imediata e integralmente” devolvidos e a compensação dos dias não trabalhados será realizada de modo presencial ou remoto, de acordo com a opção do próprio servidor, durante o prazo de oito meses.

A paralisação de quase dois meses levou à fila de 1.094.210 pessoas que aguardam por atendimento no INSS. Do total, 65,2% são usuários que esperam por uma perícia inicial – primeira análise de quesitos para a liberação de benefícios como aposentadoria e pensões. Segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), o tempo de espera de atendimento tem sido de 90 a 120 dias.

>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Quer receber notícias no seu whatsapp?

EU QUERO

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Fale Conosco
Receba NOTÍCIAS
Posso Ajudar? ×

    Este site é protegido por reCAPTCHA e Google
    Política de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam.