Roberto Azevedo

O jornalista Roberto Azevedo tem 39 anos de profissão, 17 deles dedicados ao colunismo político. Na carreira, dirigiu equipes em redações de jornal, TV, rádio e internet nos principais veículos de Santa Catarina.


Política Compartilhar
Eleições 2024

PSD quer estar com o Novo e mira em aliança com o PL

Partido cresceu e quer estabelecer projetos para os próximos pleitos

• Atualizado

Por

Leandro Schmidt/Prefeitura de Chapecó
Leandro Schmidt/Prefeitura de Chapecó

Um dos partidos que mais cresceram em todo o país no último ano, o PSD de Santa Catarina, comandado por Eron Giordani, com a chancela do deputado e hábil articulador Julio Garcia, avança para ser um competidor com viabilidade nos principais colégios eleitorais do Estado, em 2024.

A perspectiva cresceu com a chegada de Clésio Salvaro, de Criciúma, que aumenta a força no Sul, além dos já mapeados para a disputa à reeleição: Topazio Neto, de Florianópolis; Orvino de Ávila, de São José; e João Rodrigues, de Chapecó, administradores de três dos 10 maiores municípios catarinenses.

A construção de alianças deve levar os pessedistas para promoverem uma composição com o Novo, do prefeito Adriano Silva, de Joinville, que tem tudo para se espalhar para outras cidades, como Blumenau, sem largar do radar prováveis coligações com o PL, de Jorginho Mello.

No caso dos bolsonaristas, o movimento seria mais longevo, de olho em 2026, o que teria benefícios para ambos em função das duas vagas ao Senado em disputa. É um grande trunfo a oferecer.

Na passagem do prefeito João Rodrigues, de Chapecó, pela Grande Florinaópolis, durante o lançamento da Efapi, os prefeitos de Florianópolis e São José prestaram a devida homenagem e deram o prestígio ao líder, não só restrito ao Oeste.

A foto do evento, onde também figuram o ex-prefeito de Chapecó e deputado desde a última terça-feira (12), e o secretário Silvio Dreveck (Indústria, Comércio e Serviços), que é presidente licenciado do PP, retrata bem esta deferência.

Perguntado sobre o relacionamento com Jorginho, João disse que sempre teve portas abertas e boas conversas. Porém, quando se confronta com alianças futuras, João declara claramente que Jorginho “precisa praticar o gesto”.

O estender a mão e acenar com possibilidades terá, inevitavelmente, a resistência de alguns conservadores, ainda estimulados pela ideia de que, ao estarem ligados a Jair Bolsonaro, têm eleições bem encaminhadas, o que não se verificou em 2020.

Lugar de destaque destronará outras siglas

O PSD possui 48 prefeitos em Santa Catarina, muitos deles recém-chegados de regiões extremamente bolsonaristas. Traduzir esta grandeza em números de eleitores é o primeiro desafio da legenda, manter os votos um enorme exercício estratégico.

O que o PSD pretende é ocupar boa parte dos espaços que tradicionalmente MDB e PP disputavam. Os dois partidos mais tradicionais do Estado terão que entrar em campo para assegurar, no mínimo, que prosseguirão na condição de protagonistas e não serão relegados a um segundo plano nas composições, principalmente para 2026.

>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Quer receber notícias no seu whatsapp?

EU QUERO

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Receba NOTÍCIAS
Posso Ajudar? ×