Educação
templates/template-single-article-texto
block/article/header
Educação Compartilhar
Investigação

Investigação sobre propina de R$ 40 mil e barras de ouro resultou na prisão de Milton Ribeiro

Milton Ribeiro e pastores teriam criado balcão de negócios para liberação de verbas do FNDE por meio de propinas

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
Investigação sobre propina de R$ 40 mil e barras de ouro resultou na prisão de Milton Ribeiro
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

A investigação que levou à prisão do ex-ministro Milton Ribeiro nesta quarta-feira (22) envolve um áudio no qual Ribeiro dizia liberar verbas do Ministério da Educação por indicação de dois pastores, Gilmar Santos e Arilton Moura, a pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL). As negociações envolviam cobrança de propina e ouro em troca da liberação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Eram beneficiados os municípios indicados pelo pastor Gilmar. Milton e os dois religiosos teriam criado um balcão de negócios dentro do ministério para a negociação ilícita.

O inquérito foi aberto após o jornal O Estado de S. Paulo revelar, em março, a existência de um gabinete paralelo no MEC controlado pelos três. O suposto esquema de Ribeiro e dos dois pastores foi confirmado por um áudio divulgado dias depois pelo jornal Folha de S.Paulo.

“Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar”, disse o ministro Milton Ribeiro, no áudio.

Pedidos de ouro e dinheiro  

O esquema também foi detalhado em 5 de abril, durante audiência na Comissão de Educação do Senado, na qual três prefeitos chamados para esclarecer as denúncias confirmaram os pedidos de propina em dinheiro e até em barras de ouro.  

O prefeito da cidade de Luís Domingues, no Maranhão, Gilberto Braga (PSDB-MA), confirmou que o pedido de propina foi feito num almoço em Brasília, em 7 de abril de 2021, após reunião no MEC. O pastor Arilton Moura teria cobrado um quilo de ouro em troca de recursos no MEC.

“E a conversa era muito bem aberta, ele virou para mim e disse: ‘Cadê suas demandas?’. E eu apresentei minhas demandas para ele e ele falou rapidamente: ‘Você vai me arrumar os [R$] 15 mil para eu protocolar as demandas e depois que o recurso tiver empenhado, depois, como a sua região é de mineração, vai me trazer 1 kg de ouro”, relatou o prefeito de Luís Domingues (MA).

Já o prefeito da cidade goiana de Bonfinópolis, Kelton Pinheiro (Cidadania), afirmou que o pastor ligado ao ex-ministro Milton Ribeiro também pediu o pagamento de R$ 15 mil a ele como condicionante para o envio de verbas ao município.

“E me abordou de uma forma muito abrupta e direta: ‘Olha prefeito, vi que no seu ofício o senhor pede a escola de 12 salas. Essa escola deve custar uns R$ 7 milhões. Mas é o seguinte, eu preciso de R$ 15 mil na minha mão hoje, você faz a transferência para a minha conta”, disse Kelton Pinheiro.

Aos senadores, o político contou ainda que se assustou com o pedido de pagamento imediato e ficou com ‘nojo’ da abordagem. 

“O pastor me falou: ‘Para depois não cola comigo, porque vocês políticos são um bando de malandros, que não têm palavra’. Aquilo me deu ânsia de vômito de ver uma situação daquela”, completou o prefeiro de Bonfinópolis (GO). 

>>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Prefeito de Boa Esperança do Sul, São Paulo, José Manoel de Souza (PP) foi o terceiro a confirmar um pedido semelhante do religioso. “Ele falou: ‘Prefeito, o Brasil é muito grande, nós temos mais de 5.600 municípios, não dá para ajudar todos os municípios. Mas eu consigo te ajudar'”, contou. José Manoel, porém, informou que, com ele, o valor foi inflacionado e, em vez dos R$ 15 mil, foram pedidos R$ 40 mil na conta da igreja evangélica.

“E eu então bati nas costas dele [do pastor] e falei que para mim não serve, não é desse jeito que funciona”, contou.

Na ocasião, Milton Ribeiro disse que pediu apuração dessas denúncias à Controladoria-Geral da União.

Ribeiro já havia prestado depoimento à PF no final de março, quando confirmou que recebeu o pastor Gilmar a pedido de Bolsonaro. No entanto, ele negou que tenha ocorrido qualquer tipo favorecimento.

Leia também

Entre no grupo do SCC10 e receba as principais notícias da sua região pelo WhatsApp

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp

block/article/query-columnist
publicidade
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news

Veja mais