Política Compartilhar
Urgente

Pacheco confirma que governo vai desistir de reonerar folha de pagamento via medida provisória

Presidente do Senado disse ter chegado a acordo para que o assunto seja tratado por meio de projeto de lei - o que tira a obrigatoriedade e dá mais tempo para análise do Congresso Nacional

• Atualizado

SBT News

Por SBT News

Foto: Reprodução/TV Senado.
Foto: Reprodução/TV Senado.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciou nesta quarta-feira (21) que o governo vai recuar do movimento para reonerar a folha de pagamento de 17 setores da economia e de municípios a partir de abril. A proposta foi apresentada em medida provisória (MP), mas será retirada do texto.

O acordo, segundo Pacheco, aconteceu em uma reunião com os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. Pelas tratativas, sugestões do governo ligadas ao tema deverão ser apresentadas como projeto de Lei – o que tira a obrigatoriedade e dá mais tempo para análise do Congresso Nacional.

“Em relação à desoneração na folha de pagamento, a construção política está feita no sentido de que eventuais alterações no programa não se darão por medida provisória. O governo já concordou com essa premissa. Nós ajustamos isso e, em breve, o governo deve anunciar a medida tomada para poder retirar da medida provisória o estabelecimento dessas alterações da desoneração na folha de pagamentos. Eventualmente o governo poderá propor alterações por projeto, sem eficácia imediata”, anunciou.

Outras negociações ligadas ao benefício tributário

Por ainda haver outras negociações ligadas ao benefício tributário para o setor de eventos, o Perse (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos), o presidente do Senado também afirmou ainda que a edição da medida provisória não será feita de forma imediata.

O anúncio de Pacheco coloca fim a um impasse que se arrastava desde dezembro. À época, o governo enviou a sugestão para retomar aos poucos a reoneração na folha de pagamento de estados e municípios. A medida contrariou posição de deputados e senadores, que haviam aprovado a prorrogação do benefício tributário até 2027.

No ano passado, o presidente Lula (PT) chegou a vetar o projeto aprovado pelo Congresso, mas parlamentares também derrubaram a decisão. A MP foi alvo de críticas políticas e de empresários, que fizeram uma série de manifestos ligados ao texto.

>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Quer receber notícias no seu whatsapp?

EU QUERO

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Receba NOTÍCIAS
Posso Ajudar? ×

    Este site é protegido por reCAPTCHA e Google
    Política de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam.