Cotidiano Compartilhar
Estradas

Nevasca prende turistas gaúchos em estrada a caminho do Chile

As pessoas estão dentro do ônibus, que transporta 36 passageiros, desde sábado (09)

• Atualizado

SBT News

Por SBT News

Foto: SBT News
Foto: SBT News

Um grupo de turistas gaúchos, que estava a caminho de Santiago, no Chile, está parado desde sábado (09) em uma estrada na Cordilheira dos Andes, na fronteira com a Argentina, por causa de uma nevasca.

Passageiros têm registrado os dias de angústia dentro do ônibus, que transporta 36 pessoas. Com a temperatura negativa, o veículo precisa permanecer sempre ligado, para manter o aquecimento interno. Refeições começaram a ser entregues no domingo, com a chegada do Exército à região.

“É o terceiro dia que estamos aqui. Está -11 °C, vou mostrar para vocês. A neve não para, nevando o tempo todo. Tem lugares que chega a 2 metros de altura”, relata a designer de interiores Lia Kich, que faz parte do grupo de viajantes.

Segundo ela, há cerca de 300 pessoas na Aduana, entre turistas, viajantes e caminhoneiros. No lado argentino, uma imensa fila de motoristas também aguarda a liberação da estrada para seguir viagem. 

O Ministério das Relações Exteriores informou que o consulado do Brasil em Santiago mantém contato com as autoridades locais para monitorar as condições dos brasileiros e prestar assistência. O Itamaraty reforça que os caminhoneiros retidos foram colocados em abrigos.

Máquinas chilenas e argentinas têm trabalhado na limpeza das pistas, sempre que diminui a intensidade da nevasca. A previsão é que o trecho chileno da travessia seja liberado na 4ª feira (13), porém, novas nevascas podem ocorrer a partir do dia 14.

O proprietário de uma transportadora gaúcha, que leva cerca de 100 cargas por mês para o Chile, e vice-presidente da Federação dos Transportes da Região Sul, Sérgio Mario Gabardo, explica que a rota com problemas é muito usada para a entrega de máquinas, veículos e carrocerias.

A entidade ainda não sabe quantos motoristas estão retidos, mas monitora a situação. “Você imagina o caminhão parado, com carga parada… dois custos, do cliente e do nosso, né? Nós soubemos, quando contratamos, que temos esse risco, essa situação”, afirma o vice-presidente da Fetransul, Sérgio Mario Gabardo.

Assista à reportagem

>>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

Quer receber notícias no seu whatsapp?

EU QUERO

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Receba NOTÍCIAS
Posso Ajudar? ×