Roberto Azevedo

O jornalista Roberto Azevedo tem 39 anos de profissão, 17 deles dedicados ao colunismo político. Na carreira, dirigiu equipes em redações de jornal, TV, rádio e internet nos principais veículos de Santa Catarina.


Política Compartilhar
Administração pública

Cleverson Siewert será o secretário da Fazenda

O engenheiro já comandou a pasta e a Celesc

• Atualizado

Por

Ex-secretário no governo de Leonel Pavan (PSDB), e presidente da Celesc, na administração de Raimundo Colombo (PSD) e Eduardo Pinho Moreira (MDB), o engenheiro Cleverson Siewert, de Joinville, confirmou à coluna que está se dirigindo a Florianópolis, neste domingo (4) à noite, para participar da divulgação do secretariado do governador eleito Jorginho Mello (PL), na segunda (5), na sede da Defesa Civil, a partir 9h, e assumirá a Secretaria da Fazenda.

O vazamento do nome de Cleverson já havia sido confirmado por Jorginho.

Reconhecido pela competência, depois que deixou a administração pública, onde estava no grupo dos chamados “Menudos de Luiz Henrique”, ao lado de Alexandre Fernandes e Antonio Gavazzoni, entre outros, desde 2003, Cleverson retornou à iniciativa privada.

O nome é bem assimilado pelo setor empresarial e retira poder da chamada “República dos Fiscais”, que respaldou a permanência do competente auditor de carreira Paulo Eli, nos governos de Pinho Moreira e Carlos Moisés frente à pasta.

Mais nomes, mais especulações antes do anúncio

Há uma lista de nomes especulados para compor o colegiado de Jorginho, entre eles os da deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania), na Saúde; o reitor da Unoesc Aristides Cimadon, que acaba de deixar a presidência do Sistema Acafe, na Educação; o professor, ex-prefeito de Luzerna e coordenador da transição Moisés Diersmann, na Administração; de um nome para a futura pasta da Ciência, Tecnologia e Inovação, indicado pela Acate; de outro para Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural lançado pelas cooperativas o agronegócio, provavelmente o do ex-deputado federal Valdir Colatto, que atuou no governo Bolsonaro; o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal Silvinei Vasques para a Segurança Pública, um pedido do presidente da República.

Também circulam os nomes de Vânia Franco, na Articulação Nacional, e do tenente-coronel José Eduardo, para a Casa Militar.

Na bolsa de apostas da área da segurança, cresceu nas últimas horas o nome do coronel Alexandre da Silva para comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, embora há quem acredite que o atual chefe da corporação, coronel Hilton de Souza Zeferino, tente permanecer no cargo.

Outro que estaria praticamente fechado é o advogado Márcio Vicari para procurador-geral do Estado, pois embora tenha negado a possibilidade nos últimos dias, ele é bastante ligado à deputada federal reeleita Caroline de Toni (PL). Por fim, Coronel Armando, deputado federal que não se reelegeu, para a Defesa Civil


>>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

Quer receber notícias no seu whatsapp?

EU QUERO

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Receba NOTÍCIAS
Posso Ajudar? ×