×
×

Escolha sua região:

Segunda-feira, 14 de junho de 2021. Santa Catarina Mude de região ▼
MENU
O portal da notícia
em Santa Catarina.
BUSCAR
Futebol
MENU
BUSCAR
Futebol
publicidade
block/article/header
Futebol Compartilhar

Pandemia

STF fará sessão extraordinária para decidir pedido de suspensão da Copa América

Sessão virtual será realizada na quinta-feira (10)

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
STF fará sessão extraordinária para decidir pedido de suspensão da Copa América
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, convocou para quinta-feira (10) uma sessão virtual extraordinária, com duração de 24 horas, para os ministros decidirem sobre a realização da Copa América no Brasil. O pedido da sessão foi feito pela ministra Cármen Lúcia, relatora de duas ações apresentadas sobre o tema.

Na arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 849, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM) pediu a concessão de medida liminar para suspender a realização do torneio. A entidade aponta o risco de aumento de casos de contaminação e de mortes pela Covid-19.

Já no Mandado de Segurança (MS) 37933, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e o deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG) defendem que sediar a Copa América viola os direitos fundamentais à vida e à saúde, bem como da eficiência da Administração Pública.

Pela regra, a sessão virtual do STF dura uma semana – os ministros têm esse prazo para inserirem os votos no sistema da corte, que pode ser acompanhado em tempo real pela internet. O Supremo iniciou, recentemente, a realização de sessões mais curtas, para definir temas urgentes colegiadamente, uma das bandeiras da gestão do ministro Fux na presidência do STF.

Ministro da Saúde diz que vacinação não é imposição

Por Estadão Conteúdo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nessa segunda-feira (07) que a vacinação contra a Covid-19 das comitivas que disputarão a Copa América no Brasil não será obrigatória. A competição começa no próximo domingo (13). “Exigir-se a vacinação ou vacinar os atletas neste momento não traria imunidade até o início da competição”, afirmou Queiroga, durante entrevista coletiva.

O ministro citou outros exemplos de competições que têm acontecido sem a exigência de vacinação, como o Campeonato Brasileiro. Segundo Queiroga, outros eventos internacionais que, em contrapartida, exigiram a imunização dos participantes, como é o caso dos Jogos Olímpicos, não podem ser usados para comparação, uma vez que reúnem número maior de participantes, de todo o mundo, em uma única vila de atletas.

“Não será uma imposição a questão da vacina. Os que estiverem vacinados melhor, mas não se fará um esforço maior para se vacinar estes atletas agora, até porque a vacina poderia causar algum tipo de reação e isso poderia comprometer o ritmo competitivo dos jogadores”, disse o ministro da Saúde.

Segundo informou o coordenador operacional da competição, André Pedrinelli, os jogadores e comissão técnica de todos os países participantes farão um teste diagnóstico para a covid-19 a cada 48h.

Para o ministro da Saúde, sobre os encontros de torcidas vistos durante o Campeonato Brasileiro, as aglomerações acontecem independente da realização de partidas de futebol. Queiroga reforçou que “não há motivo sanitário para vedar a realização da Copa América no Brasil”. “Pode torcer na sua casa. Se vai fazer festa em casa, a consciência é de cada um. Nós não recomendamos isso. Não é essa Copa América que vai fazer isso aumentar ou diminuir. Não é, nós sabemos”, afirmou.

Argentina não ficará hospedada no Brasil para a Copa América

“Acho que (a Copa América) ser aqui no Brasil – sem fazer considerações aos sistemas sanitários dos outros países – oferece garantia aos nossos atletas de que teremos uma segurança sanitária adequada”, afirmou. A realização do evento esportivo em território brasileiros acontece após a recusa de Colômbia e Argentina em sediá-lo.

Jogadores da seleção decidem disputar

A seleção brasileira vai disputar a Copa América. Os jogadores negam qualquer pedido de férias, mas não abrem mão de explicar os motivos da revolta com a competição que veio parar no Brasil sem aviso prévio.

Os atletas vão divulgar um manifesto, que deverá ser uma nota simples e curta. O tom é de desaprovação com a maneira como a Copa América foi transferida para o Brasil depois da desistência de Colômbia e Argentina. E também vão criticar a desorganização da Conmebol. No documento, eles querem deixar claro que o posicionamento não era político e que valeria para qualquer país onde o torneio fosse realizado.

>> Para receber as informações mais importantes do dia pelo WhatsApp, gratuitamente, basta clicar AQUI!

O momento de divulgação do documento ainda não foi definido pelos atletas. Pode ser ainda nesta segunda-feira, mas é mais provável que seja realmente após a partida diante do Paraguai, nesta terça-feira, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Os jogadores estão tentando divulgar o manifesto juntamente com atletas de outras seleções para acentuar que não se trata de ação com caráter político.

Existe ainda a possibilidade de o elenco fazer alguma manifestação em relação à pandemia no Brasil, usando suas imagens em prol do combate à doença. O Brasil está perto de registrar 500 mil pessoas mortos pela covid-19. Entrar em campo com faixas de alerta não está descartado.

Na semana passada, o presidente afastado da CBF por denúncia de assédio sexual e moral, Rogério Caboclo, acertou com a Conmebol e com o presidente Jair Bolsonaro a realização da Copa América no Brasil. A decisão foi tomada sem consulta ao técnico Tite, ao capitão Casemiro e às principais lideranças da equipe.

Nem mesmo outros departamentos da CBF foram consultados para a organização do evento. Este é um dos principais motivos de insatisfação. Os jogadores se sentiram traídos pelo dirigente e não aceitam a maneira como a decisão foi tomada. Os jogadores vão manter a postura contra a realização da disputa no Brasil e da forma com ela foi “empurrada” para eles na concentração das Eliminatórias, mas não vão prejudicar a entidade “seleção brasileira” numa competição internacional.

Caboclo é afastado da presidência da CBF após acusação de assédio

Os atletas também condenaram a presença do dirigente em Porto Alegre nos treinos e no vestiário. Caboclo tentou contornar o clima, mas só fez piorar o sentimento de todos. Disse o que não deveria, proibiu Casemiro de dar entrevista, o que ele não cumpriu, porque falou em entrevista à Globo, detentora dos direitos de transmissão após a vitória diante do Equador, e ainda tratou, segundo apurado pelo Estadão, o elenco em tom pejorativo entre patrão e empregado, o que só causou mais revolta. Com o afastamento de Caboclo, o cenário mudou.

Não se sabe se todos os jogadores da seleção vão disputar a Copa América. Tite pode repensar o grupo. Em princípio, todos eles ficariam juntos, como disse Casemiro. O torneio começa dia 13 acaba dia 10 de julho, se o Brasil chegar até a decisão, marcada para o Rio. A seleção é a última campeã da Copa América, em 2019, após superar o Peru.

Os jogadores não sabem nada da Copa América: se vão ficar na Granja Comary, o mais provável, ou se num hotel nas cidades de Brasília, Goiás ou Cuiabá. Também não foram avisados dos traslados das viagem e das rotinas de uma competição com a chancela da Fifa e da Conmebol. Dizem que, se a Copa América fosse realizada na Argentina, sabiam que o país tinha se preparado há dois anos para recebê-la, diferentemente do Brasil, que tenta se organizar em dez dias.

>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM FACEBOOK.

query/general/query-columnist
Colunistas
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news
Scroll Up