Acaert Compartilhar
Palestra

Marketing de guerrilha é tema de palestra no congresso da ACAERT

O empreendedor conta ideias criativas e curiosas que tiveram bons resultados com seus clientes

Por

• Atualizado

Foto: Reprodução / ACAERT
Foto: Reprodução / ACAERT

No segundo dia de palestras do 18º Congresso de Rádio e Televisão, promovido pela ACAERT, em Florianópolis, o empreendedor serial André Rabanéa dividiu sua trajetória pessoal e profissional. Fundador da agência Torke, em Portugal, empresa que se tornou a mais premiada agência de marketing de guerrilha do mundo, contou como a criatividade possibilitou bons resultados aos seus clientes. O brasileiro foi para Portugal para ficar três meses, mas acabou fixando moradia no país.

Rabaneá explica que um dos conceitos de marketing de guerrilha é “investir o mínimo com o maior retorno”. A agência trabalhou com empresas como Fox, Rexona, Peugeot, entre outras marcas internacionais. O marketing de guerrilha é uma forma criativa e com custo reduzido para criar experiências, situações, surpresas e interações com o consumidor almejado pela empresa.

André conta que as pessoas que dizem que não são criativas, geralmente não têm um ambiente, seja em casa ou no trabalho, que tenha a abertura para que a criatividade.

“Se você não treina o cérebro, ele não vai funcionar”, afirma, ao pontuar que a criatividade é um exercício.

O empreendedor explicou que as ideais aplicadas no marketing de guerrilha eram arriscadas, inovadoras e contavam com pouco investimento. Entre os exemplos de campanhas, a agência fez lançamento de um carro sem utilizar o veículo, porque a marca estava com o modelo atrasado na linha de produção.

O palestrante também contou sobre uma loja montada em um shopping, onde a moeda de pagamento era sangue. O consumidor podia trocar uma doação de sangue por um produto, o objetivo era a divulgação de uma série sobre zumbis.

A agência também fez um experimento social que colocou cinco torcedores fanáticos pelo Flamengo para assistir a um jogo do time, se eles se mantivesse me silêncio durante todo o tempo, receberiam R$ 100 mil. O vídeo onde os torcedores acabam gritando no momento do gol e perdem o prêmio se transformou em uma campanha.

Outra estratégia criativa de André foi fazer aparecer ‘sangue’ em mictórios de banheiros públicos para o lançamento de uma série criminal. O palestrante contou que a ideia era gerar conversas sobre a situação inesperada. Sempre a descarga era ativada, a água ficava vermelha e o homem se surpreendia.

A agência também inovou em um festival de rock, a ideia curiosa de disponibilizar homens “de ombros largos” fez sucesso. O público, que precisava ser cliente da operadora de telefonia patrocinadora do evento, podia pedir para ser carregado nos ombros e poder ver o show com mais conforto.

As estratégias utilizadas pelo palestrante não eram inovadoras e disruptivas somente para os clientes. Para o próprio processo seletivo da agência, Rabanéa criou uma dinâmica que consistia em um duelo entre os candidatos da vaga, onde o com a melhor ideia ganhava e poderia ir para uma próxima fase, para conquistar a vaga. André explica que no anúncio da vaga, o único critério era ter boas ideias, o resultado da divulgação ousado foi no número de candidatos. “Estava esperando sete pessoas, apareceram 180 para a vaga”, lembra.

Confira a palestra

Vídeo: ACAERT

>>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

André Rabanéa

André Rabanéa, brasileiro, foi para Lisboa com 21 anos para passar 3 meses e acabou ficando até hoje (18 anos), fundou a Torke, que foi a mais premiada agência de marketing de guerrilha do mundo, neste período foi júri dos principais festivais de criatividade incluindo Cannes, D&AD, EL OJO… Considerado um empreendedor serial, já teve mais de 10 empresas nas áreas de inovação, disrupção e criatividade espalhadas pelo globo (Brasil, Portugal, Turquia, Bélgica e Qatar). Em 2014 na Torkecc criou a metodologia IDEATORS, que foi validada pela Harvard University.

Congresso Catarinense de Rádio e Televisão

O congresso estava programado para 2020, em alusão aos 40 anos da associação, mas precisou ser remarcado por questões sanitárias da pandemia de covid-19. Com o tema “Pensando Grande em novos tempos”, o evento considerado o mais importante do setor, reúne jornalistas, políticos, empreendedores e profissionais de radiodifusão em sua programação.

Na noite de domingo, o vice-presidente Hamilton Mourão participou do 18º Congresso Catarinense de Rádio e Televisão, ministrando a palestra de abertura para convidados. O governador de Santa Catarina Carlos Moisés, o presidente da ACAERT Silvano Sila e o presidente do 18º Congresso da ACART Carlos Amaral Neto, acompanharam coletiva de imprensa do vice-presidente.

O evento realizado no Centrosul, em Florianópolis, segue até terça-feira (24), com programação de palestras, painéis, e entrega da Comenda ACAERT e do prêmio Microfone de Ouro.

publicidade
publicidade

Veja mais