×
×

Escolha sua região:

Sábado, 04 de dezembro de 2021. Santa Catarina Mude de região ▼
MENU
O portal da notícia
em Santa Catarina.
BUSCAR
Cotidiano
MENU
BUSCAR
Cotidiano
publicidade
block/article/header
Cotidiano Compartilhar

alerta

Reitor da UFSC encaminha documento para Moisés propondo reavaliação de liberação do uso de máscaras

O documento foi sugerido pelos pesquisadores e pesquisadoras que estão atuando na definição de medidas de combate à pandemia na UFSC

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
Reitor da UFSC encaminha documento para Moisés propondo reavaliação de liberação do uso de máscaras
Imagem Ilustrativa. Foto: Nappy / Banco de Imagens.

O Reitor Ubaldo Cesar Balthazar encaminhou, na tarde desta quinta-feira, 25, um ofício ao Governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, alertando para os riscos da decisão de liberar o uso de máscaras em ambientes abertos. 

O documento foi sugerido pelos pesquisadores e pesquisadoras que estão atuando na definição de medidas de combate à pandemia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

No ofício, o Reitor destaca que a suspensão da obrigatoriedade do uso de máscaras “trata-se, segundo as mais respeitadas investigações em curso, do rompimento de uma das ‘camadas de proteção’ importantes à contenção do vírus da COVID-19.

A imunização da população, a testagem em massa, a higienização constante das mãos, o distanciamento entre as pessoas, o monitoramento da qualidade de ar, a preferência por atividades em locais abertos/arejados, associados ao uso constante da máscara facial de boa qualidade, tipo PFF2 e bem ajustada ao rosto, compõem exemplos de tais camadas e, juntos, representam as medidas necessárias à contenção.

Também ressalta que “dispensar a máscara, mesmo em ambientes abertos e sujeitos, ainda assim, a aglomerações, é desproteger o indivíduo de uma medida barata e eficiente para redução da transmissão. Já é uma conclusão científica amplamente pacificada que o vírus é transmitido pelo ar e que o risco é menor em ambientes abertos, mas ainda existente. Sabe-se, igualmente, que a imunização atenua os efeitos, mas não impede por si mesmo a transmissão do vírus. Com alta circulação viral aumentamos também a probabilidade do aparecimento de novas variantes, que podem gerar escape vacinal.”

>> Siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

query/article/query-columnist
publicidade
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news