×
×

Escolha sua região:

Sexta-feira, 30 de julho de 2021. Santa Catarina Mude de região ▼
MENU
O portal da notícia
em Santa Catarina.
BUSCAR
Meio Ambiente
MENU
BUSCAR
Meio Ambiente
publicidade
block/article/header
Meio Ambiente Compartilhar

Comprometimento ambiental

Justiça determina criação da Câmara Judicial de Proteção da Lagoa da Conceição

Câmara será formada por representantes de 15 instituições, entre órgãos públicos, representantes da comunidade acadêmica e das entidades autoras

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
Justiça determina criação da Câmara Judicial de Proteção da Lagoa da Conceição
Foto: Divulgação | Leonardo Sousa | PMF

A Justiça Federal concedeu uma liminar que institui um sistema de governança ecológica, envolvendo múltiplos atores, para a defesa e preservação da Lagoa da Conceição, em Florianópolis. A decisão liminar foi proferida em uma Ação Civil Pública Estrutural promovida por pesquisadores do Grupo de Pesquisa em Direito Ambiental e Ecologia Política (GPDA) e do Observatório de Justiça Ecológica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em nome de entidades da sociedade civil organizada.

O juiz Marcelo Krás Borges, da 6ª Vara Federal de Florianópolis, que deferiu a proposta da Ação Civil Pública, determinou em sua decisão a instituição liminar da Câmara Judicial de Proteção da Lagoa da Conceição, “com a finalidade de assessorar este Juízo na adoção de medidas estruturais necessárias para garantir a integridade ecológica do ente natural através de uma governança judicial socioecológica”. A Câmara será formada por representantes de 15 instituições, entre órgãos públicos, representantes da comunidade acadêmica e das entidades autoras. A UFSC vai participar através de três laboratórios e um núcleo de estudos.

>> Programa aponta irregularidades na Lagoa da Conceição, em Florianópolis

A ação judicial tem como autores a União Florianopolitana das Entidades Comunitárias (Ufeco), a ONG Costa Legal e a Associação Pachamama. O juiz aceitou um pedido dos autores e o Ministério Público Estadual (MPSC) e Ministério Público Federal (MPF) ingressaram na ação como parte interessada na causa, ao lado das associações. No outro polo da ação figuram como réus o Município de Florianópolis, o Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), a Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), o Estado de Santa Catarina, a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) e a Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina.

Problema histórico

Na sentença, o juiz acolhe os argumentos e razões apresentadas pelos autores da ação, que alertam para o progressivo comprometimento ambiental da Lagoa da Conceição. “Com efeito, existe um problema histórico envolvendo o despejo de efluentes de modo impróprio e ilegal no sistema lagunar. Os estudos científicos juntados pela parte autora demonstram inequivocamente o grave comprometimento dos sinais vitais da Lagoa da Conceição e para o agravamento dos riscos e danos em cenário futuro próximo, com risco de irreversibilidade. As evidências científicas são contundentes e já indicam um quadro de colapso”.

A decisão reconhece também a ineficiência da gestão e da governança para proteção da qualidade ambiental da Lagoa e até mesmo a ineficácia de decisões judiciais neste sentido. “Com efeito, possui razão a parte autora, pois a caracterização da incapacidade reiterada de governança da Lagoa da Conceição restou evidente no episódio do extravasamento ou rompimento da Barragem de Evapoinfiltração, ocorrido no último 25 de janeiro de 2021”.

A falta de cooperação, de comunicação e de efetividade dos agentes públicos, segundo o juiz, demonstram a existência de “um problema de natureza estrutural”. Por isso, ele entendeu como necessária a criação da Câmara Judicial de Proteção da Lagoa da Conceição. Agora, os órgãos e entidades citados pelo juiz terão 15 dias para designar os integrantes da Câmara e prestar “informações atualizadas sobre as medidas que estão sendo adotadas e os principais problemas diagnosticados para a proteção da integridade ecológica, manutenção e a restauração dos processos ecológicos essenciais da Lagoa da Conceição”.

O professor José Rubens Morato Leite, titular do Centro de Ciências Jurídicas (CCJ) e coordenador do GPDA, destaca a importância da decisão. “A liminar é um precedente de suma importância para o direito ambiental no país, já que traz a teoria do direito ecológico e insere uma nova abordagem a um caso prático de forma mais efetiva. A Lagoa da Conceição passará a ter uma proteção não fragmentada, mas sim sistêmica, amparada por uma governança plural, a qual inclui os direitos das gerações presentes e futuras e resgata este bem imaterial da Ilha de Santa Catarina do colapso”, avalia.

De acordo com o professor, a decisão representa um grande avanço no direito ambiental brasileiro, ampliando a discussão das noções de direito ecológico sistêmico, pluralista, e considerando as noções de integridade ecológica. Na ação, foram usados como fundamento legal o  artigo 225 da Constituição Federal, capítulo do Meio Ambiente,  e o artigo 133 da Lei Orgânica no Município, que trata da natureza como sujeito de direito.

Veja os integrantes da Câmara Judicial de Proteção da Lagoa da Conceição:

1. Departamento de Unidades de Conservação – Depuc/Floram;
2. Diretoria de Licenciamento Ambiental – Dilic/Floram;
3. Conselho Consultivo do Parque Estadual do Rio Vermelho – Paerve;
4. Conselho Consultivo da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo – Corbio;
5. Base avançada TAMAR do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação;
6. Divisão Técnico-Ambiental da Superintendência do Ibama no Estado de Santa Catarina –
Ditec/Ibama;
7. Superintendência do Iphan em Santa Catarina;
8. Companhia Catarinense de Águas e Saneamento – Casan;
9. Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina – Aresc;
10. Laboratório de Ficologia (Lafic), Laboratório de Oceanografia Química e Biogeoquímica Marinha (Loqui), Núcleo de Estudos do Mar (Nemar), e Laboratório de reuso de águas (Lara), todos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
11. Grupo Técnico da Floram, instaurado pela Portaria nº 004/2021;
12. Conselho Municipal do Meio Ambiente – Comdema;
13. Conselho Estadual de Meio Ambiente – Consema;
14. Defesa Civil de Florianópolis;
15. Defesa Civil do Estado de Santa Catarina.

>> Para receber as informações mais importantes do dia pelo WhatsApp, gratuitamente, basta clicar AQUI!

>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK.

query/article/query-columnist
publicidade
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news
Scroll Up