×
×

Escolha sua região:

Sábado, 04 de dezembro de 2021. Santa Catarina Mude de região ▼
MENU
O portal da notícia
em Santa Catarina.
BUSCAR
Gastronomia
MENU
BUSCAR
Gastronomia
publicidade
block/single-columnist/block-title

Gustavo Maresch

Bacharel em Gastronomia e mestre em Turismo e Hotelaria. Atualmente é professor e coordenador de curso na área da Gastronomia no IFSC.

[email protected]
block/article/header
Gastronomia Compartilhar

Gustavo Maresch

Cepa, varietal, variante, variedade, variável: o que o vinho tem com isso?

Conheça um pouco mais desse mundo tão vasto que é o mundo do vinho.

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
Cepa, varietal, variante, variedade, variável: o que o vinho tem com isso?
Foto: Aires Mariga

“Cepa” e “variante” são palavras que têm despertado pânico na população há quase dois anos, por evidentes motivos. Você sabe o que elas querem dizer? Pois hoje iremos comentá-las. Estejam em segurança e acompanhem-nos!

O que não tem diferença no mundo do vinho?

Antes de falar do específico do mundo do vinho, é útil falar do que não é. As palavras variante e variável, assim como outras parecidas (variação, por exemplo) não significam nada de diferente no mundo do vinho. Seus significados são os mesmos usuais, não tendo nenhum valor enológico específico.

Não existe uma categoria de vinhos “variantes”, embora a palavra possa indicar, por exemplo, uma maneira de elaborar o vinho diferente de uma outra convencionalmente usada, do mesmo modo do que se falássemos em variação. Variável, seguindo o mesmo princípio, apenas quer dizer aquilo que varia, como o clima ou o tempo de estágio em madeira. Nenhuma dessas expressões, reforço, têm valor enológico.

O que é específico do vinho?

Dentre as expressões elencadas, sobraram três: cepa, variedade e varietal. Pois bem, na verdade, cepa e variedade são duas faces da mesma moeda, ou parafraseando, dois cachos do mesmo galho. Significam a uva utilizada, como Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, Sauvignon Blanc, dentre outras.

É importante não confundir cepa ou variedade com clones de videiras. Falamos disso por aqui em outra oportunidade, mas basicamente, as videiras sofrem mutações nas células somáticas. Grandes variações acabam gerando outras variedades, e pequenas mutações, que não chegam a descaracterizar uma variedade, originam seus clones, que continuam sendo a mesma cepa, mas de clone diferente.

Varietal, por sua vez, é o vinho que foi elaborado a partir de uma variedade. Já falamos sobre isso e sobre a diferença destes para os vinhos de assemblage. Resumidamente, é o vinho que foi elaborado por, no mínimo, 75 % de uma única variedade de uva, e não necessariamente na totalidade da composição. Tem como sentido expressar a característica de determinada cepa.

Quais mais palavras do mundo do vinho você, caro leitor, gostaria de entender melhor? O assunto pode render outro artigo e, claro, algumas boas taças de vinho!

Fonte: acervo pessoal – Jucélio Medeiros

Santé!

por Jucélio K Medeiros


>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK.

query/article/query-columnist
publicidade
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news