Segurança
templates/template-single-article-texto
block/article/header
Segurança Compartilhar
Investigações

Polícia afirma que explosão de rochas na BR-101 teve erro de execução

Estilhaços das rochas atingiram carros e um ciclista, que ficou ferido

block/article/social-network
block/article/content__sidebar
Polícia afirma que explosão de rochas na BR-101 teve erro de execução
Foto: reprodução

Segundo informações da Polícia Civil, a explosão das rochas na BR-101, em Tijucas, tinha autorização para ser realizada, mas passou por problemas de execução. Os estilhaços das pedras atingiram três carros e deixaram um ciclista ferido, na tarde da terça-feira (17).

O delegado da Polícia Civil de Santa Catarina, Alison Rocha, afirma que a explosão foi feita por uma empresa terceirizada, a Planex. Segundo ele, a empresa não tem responsabilidade jurídica sobre o caso e o funcionário técnico habilitado para a atividade foi identificado. Ele já prestou depoimento. “Nas diligências preliminares que nós fizemos, foi constatado que havia sim autorização e, na verdade, o erro foi na execução das explosões”, explica.

Conforme as investigações, o Comando do Exército Brasileiro e a Concessionária Arteris haviam autorizado a explosão e a PRF (Polícia Rodoviária Federal) tinha ciência do fato, mas não havia autorizado.

Rocha ainda explica que, inicialmente, pode haver uma responsabilização do técnico habilitado que fez a programação das bombas. O técnico explicou à polícia que a explosão estava programada para às 15h, mas houve um atraso para às 17h causado pela falta de autorização da PRF. Conforme explicações do técnico à polícia, o atraso teria potencializado a explosão, uma vez que não podia ser reprogramada.

A concessionária Arteris, por meio de nota, explicou na terça-feira (17), que realmente autorizou a explosão, mas no período das 15h às 15h30. A explosão das 17h não havia sido autorizada.

O inquérito policial foi finalizado nesta quinta-feira (19) e será encaminhado ao Poder Judiciário.

Leia também:

>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Leia a nota da Arteris na íntegra

Esclarecimento à imprensa

A Arteris Litoral Sul esclarece que o desmonte de rochas que aparece nas imagens não foi realizado pela concessionária e não faz parte das obras do Contorno Viário de Florianópolis. O procedimento de desmonte de rocha no Contorno Viário foi realizado na tarde de terça-feira (17) de maneira controlada por volta das 15h30, com todas as medidas de segurança, com autorização incluindo acompanhamento da PRF, e ocorreu no km 177 da BR-101/SC, na região do Rio Inferninho em Biguaçu, sem nenhum registro de imprevisto.

Essas imagens foram registradas no km 170 da BR-101/SC, na região de Morretes em Tijucas-SC, onde ocorreu um procedimento de desmonte de rocha sob responsabilidade de empreendimento localizado nas margens da rodovia, por volta das 17h. A programação desta atividade não foi autorizada pela concessionária.

O procedimento gerou três ocorrências de danos em veículos, um acidente envolvendo automóvel (sem feridos), e uma ocorrência de atendimento pré-hospitalar a ciclista ferido – conduzido em situação leve para hospital da região.

Além disso, equipes da concessionária também foram mobilizadas para limpeza da pista – com término das atividades por volta das 19h – com lentidão local durante a realização dos trabalhos em ambos os sentidos.

Entre no grupo do SCC10 e receba as principais notícias da sua região pelo WhatsApp

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp

block/article/query-columnist
publicidade
publicidade
block/article/social-network
block/general/block-plus-news

Veja mais