Cotidiano Compartilhar
Demissão

Após denúncias de assédio, presidente da Caixa pede demissão e se diz vítima de “perversidades”

Presidente da Caixa foi acusado por funcionárias de assédio sexual

Por

• Atualizado

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, divulgou a funcionários do banco, na tarde desta quarta-feira (29), uma carta de demissão. Ele deixa o cargo após denúncias de assédio sexual por servidores da instituição. Daniella Marques, secretária e braço direito do ministro da Economia, Paulo Guedes, foi nomeada para assumir o posto.

Na carta, Guimarães diz ter sido atingido por uma “avalanche de notícias e informações equivocadas” e nega as acusações. “As acusações noticiadas não são verdadeiras! Repito: as acusações não são verdadeiras e não refletem a minha postura profissional e nem pessoal. Tenho a plena certeza de que estas acusações não se sustentarão ao passar por uma avaliação técnica e isenta”, afirma.

O executivo também argumenta que tem se dedicado “ao desenvolvimento de um trabalho de gestão que prima pela garantia da igualdade de gêneros” e que se empenhou “no combate a toda forma de assédio, repelindo toda e qualquer forma de violência, em quaisquer de suas possíveis configurações”.

Ele afirma, contudo, que decidiu pedir demissão do cargo para não “prejudicar a instituição ou o governo sendo um alvo para o rancor político em um ano eleitoral”. “Se foi o propósito de colaborar que me fez aceitar o honroso desafio de presidir com integridade absoluta a Caixa, é com o mesmo propósito de colaboração que tenho de me afastar neste momento para não esmorecer o acervo de realizações que não pertence a mim pessoalmente, pertence a toda a equipe que valorosamente pertence à Caixa e também ao apoio de todos as horas que sempre recebi do Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro.”

“Junto-me à minha família para me defender das perversidades lançadas contra mim, com o coração tranquilo daqueles que não temem o que não fizeram. Por fim, registro a minha confiança de que a verdade prevalecerá”, conclui.

Pedro Guimarães está sob investigação sigilosa do Ministério Público Federal (MPF). O processo foi aberto após denúncias de funcionárias do banco que trabalham ou já trabalharam sob a gestão de Guimarães. As mulheres o acusam de assédio sexual, principalmente durante viagens de trabalho, conforme reportagem publicada pelo portal Metrópoles. Há uma expectativa de que o atual presidente da Caixa deixe o cargo ainda nesta quarta-feira (29). 

A mais cotada para assumir a função é a atual secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Marques. Ela é considerada braço direito do ministro da Economia, Paulo Guedes, e foi assessora especial na pasta desde o início da gestão do presidente Jair Bolsonaro.  Daniella assumiu o comando da secretaria especial de Produtividade em fevereiro deste ano.

>>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK

publicidade
publicidade

Veja mais