Sábado, 17 de abril de 2021.
COTIDIANO
Cotidiano compartilhar compartilhar

Justiça suspende funcionamento de empresa que vendia notas fiscais frias no Vale do Itajaí

Os desembargadores concordaram que os indícios apresentados pelo Estado apontam que a empresa “de fato é inexistente”.


De Redação
Data de Publicação: 07/04/2021 14:37
Foto: Pixabay

A 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) acolheu de forma unânime agravo de instrumento ajuizado pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE/SC) contra liminar em mandado de segurança obtida por uma empresa que atuava como “noteira” no Vale do Itajaí. A prática consiste na emissão de documentos fiscais acobertando operações que não ocorreram ou foram realizadas de forma diferente da registrada.

No caso, após a fiscalização fazendária apontar “fortes indícios da emissão fraudulenta de notas fiscais”, foi realizada a suspensão acautelatória do credenciamento para a emissão desses documentos. A empresa foi à Justiça requerer o desbloqueio, o que chegou a ser concedido em primeiro grau. Porém, o Estado de Santa Catarina recorreu por meio de agravo de instrumento apresentado pela PGE/SC.

Além de afirmar que a suspensão do credenciamento para a emissão de notas fiscais se deu de forma acautelatória em razão da apuração feita pela fiscalização, a Procuradoria apresentou informações encaminhadas pela Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) que justificaram o procedimento cautelar. Entre elas estavam a constatação de que um mesmo computador foi usado para a transmissão de notas fiscais eletrônicas (NF-e) de entradas e de saídas e o fato de a empresa não figurar como consumidor de energia elétrica em Santa Catarina.

“Os indícios apontam que as notas fiscais estavam sendo emitidas sem que houvesse entrada e saída de mercadorias no endereço da empresa, o que aponta a ocorrência de fraude, simulação ou irregularidades fiscais, e não corroboram a afirmação de que ocorresse ali o exercício da atividade empresarial”, afirmaram os procuradores no agravo.

No julgamento, os desembargadores concordaram que os indícios apresentados pelo Estado apontam que a empresa “de fato é inexistente, servindo apenas para emitir notas fiscais que simulam a realização de operações comerciais”.


>> Para receber as informações mais importantes do dia pelo WhatsApp, gratuitamente, basta clicar AQUI!

>> PARA MAIS NOTÍCIAS, SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM FACEBOOK.

Continua depois da publicidade

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desse site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Resposta em linha
Ver todos os comentários
Botão Topo Botão Topo
fale conosco
siga-nos
© Copyright 2020 SCC - Sistema Catarinense de Comunicações.