Economia Compartilhar
Doação de alimentos caiu

Pobreza atingiu cerca de 50 milhões de pessoas em 2020

Os números foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Por

• Atualizado

Foto: Agência Brasil | Arquivo
Foto: Agência Brasil | Arquivo

Segundo o Instituto Brasileiro de Educação e Gestão (IBGE), em 2020, cerca de 50 milhões de pessoas viviam em situação de pobreza, com renda inferior a R$ 450 por mês. Outras 12 milhões enfrentam situação ainda mais grave: R$ 155 mensais, um quadro de extrema pobreza.  

É o caso da dona de casa, Luana Oliveira, mãe de três filhos e moradora da comunidade da zona norte da capital paulista. “Chega nem a R$ 100 às vezes, porque às vezes vou pegar latinha, ferro”, conta a dona de casa.  

>> Siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Além de programas de transferência de renda, grande parte dessas pessoas dependem da ajuda de voluntários e entidades assistenciais para poderem comer e se cuidar ao longo do mês. Porém, diferentemente do que acontecia no início da pandemia, neste ano o volume de doações diminuiu. Auxiliar quem precisa está mais difícil para as instituições.  

Mãe de três filhos, Fabiana Souza deixou de trabalhar quando engravidou da mais nova no início do ano passado. Hoje, depende de benefício do governo e de bicos feitos pelo marido.  “Dinheiro do benefício, R$ 260, e os bicos que ele faz, quando ele consegue R$ 500”, conta a dona de casa.  

A Legião da Boa Vontade tem enfrentado esse problema para preparar 50 mil cestas básicas que serão distribuídas neste mês.  Em 2020 a meta foi atingida em outubro. Neste ano, a pouco mais de duas semanas para o natal, ainda faltam 9 mil cestas. “A gente entende que esses produtos que subiram os preços por conta da inflação, como o arroz, o feijão, o óleo, impactaram mais no recebimento de doações”, conta a assessora da entidade, Ellida barbosa.  

Apesar da crise econômica, a entidade acredita que alcançará a meta e aposta na solidariedade. “Tem que doar, venha doar, faça a sua parte você também”, conclui a Ellida.  

publicidade
publicidade

Veja mais