Coronavírus Compartilhar
Atenção

Fiocruz faz alerta sobre aumento da ocupação de leitos de UTI no Brasil

Segundo a nota técnica, dez capitais estão com taxa de ocupação acima de 60%.

Por

• Atualizado

Imagem ilustrativas: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Imagem ilustrativas: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou uma nota técnica que traz um alerta sobre o aumento da taxa de ocupação de leitos de UTI no país. Os dados mostram que um terço dos estados e 10 capitais estão em alerta, segundo as taxas observadas em 10 de janeiro, em comparação com a série histórica. Desse total, um estado (Pernambuco – 82%) e quatro capitais estão em situação crítica.

Goiânia registrou o maior percentual de internados em UTI’s com a doença: 94%. Fortaleza (88%), Recife (80%) e Belo Horizonte (84%) completam o grupo em situação crítica. As capitais que estão em estado considerado intermediário são: Vitória (77%), Porto Velho (76%), Brasília (74%), Maceió (68%), Salvador (68%) e Macapá (60%).

O Rio de Janeiro (12%) está entre os 16 estados com um nível considerado bom. Em 10 de janeiro, eram 161 pacientes internados, enquanto que em 2 de agosto do ano passado, o número de internados chegada a 1.176, com uma taxa de ocupação de leitos de 61%.

Segundo a Fiocruz, o novo crescimento nas taxas de ocupação de leitos de UTI é resultado da rápida proliferação da variante ômicron da covid no Brasil. Para eles, “as próximas semanas precisam ser acompanhadas e é esperado que o número de casos novos atinja níveis muito mais elevados. Também é fundamental o fortalecimento de medidas de prevenção, com a obrigatoriedade de uso de máscaras em locais públicos, a exigência do passaporte vacinal e o estímulo ao distanciamento físico e higiene constante das mãos”, afirma.

Na publicação, os pesquisadores dizem ainda que consideram “fundamental ratificar a ideia de que temos um outro cenário com a vacinação e as próprias características das manifestações da covid-19 pela ômicron. Por outro lado, não podemos deixar de considerar o fato de a ocupação de leitos de UTI hoje também refletir o uso de serviços complexos requeridos por casos da variante delta e casos de influenza”, ressaltam os pesquisadores.

Como solução, a Fiocruz sugere a reabertura de leitos e também reorganizar a rede de serviços de saúde por causa da falta de profissionais, afastados por contrair covid, influenza ou até mesmo a co-infecção pelos dois vírus. Além disso, garantir a atuação eficiente da atenção primária em saúde no atendimento a pacientes empregando, por exemplo, teleatendimento e prosseguir na vacinação da população.

>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

publicidade
publicidade

Veja mais