Cultura Compartilhar
Tragédia no RS

Milonga do mau tempo, força Rio Grande

Há 40 anos, a profecia da poesia gaúcha

• Atualizado

Por

Foto: SBT News / Reprodução
Foto: SBT News / Reprodução

Mauro Moraes não sabia, mas ao escrever Milonga Abaixo de Mau tempo ele narraria anos a frente uma das maiores tragédias da República Rio Grandense.

A dor dos violões retrata a letra saudosa de uma das canções mais lindas do campo brasileiro.

É impossível não se emocionar escutando o que hoje se tornará uma profecia findada.

Se hoje ao escrever o arrepio vem, imagino o quão emocionado Mauro deve ter ficado ao descrever o alagamento dos campos.

Ao entregar pra a interpretação de José Claudio Machado, Mauro quis homenagear o amigo que era tropeiro.

Tropeiro, trabalhador, gaúcho, feito hoje.

Retratar a saudade daqueles que eram responsáveis por levar o gado de um campo para o outro era o objetivo e sua letra, mas será que Mauro imaginava de mais de 40 anos depois a saudade e a tristeza de casa estariam evidente na perda de vidas, casas e animais?

Agarre, amigo, o laço enquanto o boi tá vivo
A enchente anda danada molestando o pasto

A água veio de cima, por mil razões que não compete a nós humanos entendermos. Mas o super humano letrista conseguiu descrever o que hoje os produtores e pecuaristas sofreram com essa tragédia no Vale do Taquari e na grande Porto Alegre.

As imagens de cães, cavalos e do rebanho sofrendo para salvarem suas vidas diante de tanta agua emociona o mais duro ser humano que não entende de dor.

E essa canção retrata a dor.

A dor da perda, a dor da tristeza, a dor da saudade.

Amada, me deu saudade
Me fala que a égua tá prenha, que o porco tá gordo
Que o Baio anda solto e que toda cuscada lá em casa comeu

SE TU SOUBESSES MAURO

Mauro, Mauro…

Se tu soubesses o quanto essa peste hoje não seria apenas uma gripe, um vírus e sim um medonho mau tempo que veio assolar nossa terra.

Conseguimos ouvir de baixo das cinzas nuvens o cantar do Zé Claudio reclamando da besta chuva que se meteu na vida dos tropeiros, trabalhadores, senhores, senhoras…

Hoje, amanhã, depois, talvez venha mais alguns dias, estaremos cansados nos afogando a volta de nossas lágrimas e orando para aquela santinha que se perdeu.

Nos resta orar Mauro, nos resta entender que essa foi a razão, ela quis Mauro.

Vamos seguir fortes, por que Peleando mal a mal, mostraremos a força de um povo guerreiro, saudoso e escutando sua milonga.

Abaixo de um bom tempo e orando abaixo desse mau tempo.

Milonga do mau tempo, força Rio Grande

>> Para mais notícias, siga o SCC10 no TwitterInstagram e Facebook.

Quer receber notícias no seu whatsapp?

EU QUERO

Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Fale Conosco
Receba NOTÍCIAS
Posso Ajudar? ×

    Este site é protegido por reCAPTCHA e Google
    Política de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam.